domingo, 30 de novembro de 2014

Mal-estar dentro da FRELIMO devido a ambições do Presidente de Moçambique

A intromissão direta de Armando Guebuza, Presidente de Moçambique, na exploração dos recursos naturais do país está a causar insatisfação dentro do partido do poder, FRELIMO, sobretudo numa altura de mudança de líder.

Atual Presidente de Moçambique, Armando Guebuza (à esquerda), ao lado do seu sucessor Filipe Nyusi (à direita)
Em Moçambique, num artigo publicado no jornal Savana, o jornalista Marcelo Mosse dá sinais de que o Presidente cessante Armando Guebuza está a tentar acelerar a adjudicação da exploração de 15 blocos petrolíferos para ter uma palavra a dizer sobre o tema antes do final do seu mandato.
Marcelo Mosse, jornalista e investigador político
Já em relação ao negócio do gás natural liquefeito em Moçambique, o Presidente tinha sido a figura central ao anuir a exploração da Base Logística de Pemba a um consórcio liderado pela nigeriana Orlean INVESTMENTS, no qual a filha Valentina tem uma participação.
A DW África entrevistou o jornalista Marcelo Mosse no âmbito da sua investigação sobre o tema.
DW África: Qual é a intenção de Armando Guebuza ao tentar aceleração o processo de exploração de 15 novos blocos de pesquisa de petróleo em Moçambique?
Marcelo Mosse (MM): Contrariamente àquilo que é a prática neste tipo de concursos, a duração deste, entre o lançamento e a submissão de propostas, é muito curta, é de três meses. É de 23 de outubro a 20 de janeiro. Isto coincide com o período em que Armando Guebuza vai deixar o poder. Não é necessariamente verdade que até 20 de janeiro seja feita uma adjudicação. O que vai acontecer é que até 20 de janeiro, todos os concorrentes devem apresentar propostas.
DW: Mas o que é que o Presidente Armando Guebuza quer em concreto?
MM: Ele está a tentar ter uma palavra final nos negócios do Estado quando ele está de saída. Há aqui um debate sobre até que ponto ele deveria ou não deixar este tipo de decisões para o seu sucessor.
DW: Qual é a posição da FRELIMO sobre este assunto?
MM: De acordo com as minhas fontes há um mal-estar.

Mal-estar dentro da FRELIMO devido a ambições do Presidente de Moçambique

Tenho falado com várias pessoas, até dentro do partido FRELIMO, e há uma insatisfação em relação à imposição de um prazo tão curto.
DW: É legal fazer adjudicações diretas ou manter este tipo de envolvimento em Moçambique? Não há legislação sobre isso?
MM: O processo de adjudicação deste concurso não termina em janeiro. Há todo o envolvimento do Instituto Nacional de Petróleo, que é o organismo regulador. O país tem regras de transparência até um certo nível, não quer dizer que o Presidente da República não tenha o seu espaço de influência. Este concurso de 15 blocos de petróleo vai prosseguir até alguns meses depois da tomada de posse do novo Presidente.
DW: O que vai fazer Armando Guebuza depois do seu mandato? Vai continuar envolvido nos negócios do Estado em 2015?
MM: Os próximos meses vão ser cruciais para saber qual será o poder real do futuro ex-presidente Guebuza num contexto em que teremos um novo Presidente da República…
Plataforma de exploração de gás da empresa Saipem, ao largo de Cabo Delgado, Moçambique
Mas ele continuará como presidente do partido, o que é um centro de poder importante em Moçambique. A questão é perceber se ele continuará a ter influência sobre o novo Presidente. Essa transição vai ser muito mais complexa do que a transição de Chissano para Guebuza, porque como se sabe há uma perceção em Moçambique de que Armando Guebuza tem mão em muitos negócios e, obviamente, haverá aqui uma tentativa de manter a mão em alguns negócios, que são representados pela filha.

MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

Ads by HQ-Video-Pro-2.1cAd Options

ÁUDIOS E VÍDEOS RELACIONADOS

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook