terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Filme de animação moçambicano em destaque na África do Sul

Filme de animação moçambicano em destaque na África do Sul

Os Pestinhas, uma longa metragem animada, criada e produzida em Moçambique, mereceu recentemente um destaque especial no website da Gauteng Film Comission (África do Sul). Esta é a primeira longa metragem animada feita por e em Moçambique.

A equipe por detrás de “Os Pestinhas” é a FX Lda, um estúdio de produção cinematográfica fundado por Nildo Essá e composto por arquitectos, animadores e artistas gráficos. O estúdio especializa-se maioritariamente em spots comerciais, séries de TV e longas-metragens.

“Nos finais de 2010, eu e a minha equipa tivemos a ideia de criar os nossos próprios personagens, com a intenção de produzir material educacional que não fosse tedioso (…) Pensámos que poderíamos repassar estas mensagens de uma forma mais interessante e apelativa através de bonecos animados.” diz Nildo, ao falar da motivação em criar personagens animados para o contexto Moçambicano.

O Tio Xixiteiro, produzido em 2011, foi uma das primeiras versões do que se tornaria a longa metragem e aborda o dilema da urinação pública. “Foi uma ideia muito bem sucedida pois as crianças identificaram-se com Os Pestinhas”, comenta.

Em 2013, aparece uma versão um pouco mais longa das peripécias dos Pestinhas, intitulada Os Pestinhas e o Ladrão de Brinquedos, feita, como as outras produções, in-house e sem budget. “(…) foi muito difícil porque o projecto era sempre (e ainda é) feito com fundos próprios. Sempre que fizéssemos um projecto pago, eu separava entre 60% a 70% do budget para investir em Hardware, Software, tempo para aprender, etc.” acrescenta ainda. Este filme foi nomeado como melhor animação de 2014 no Africa Movie Academy Awards.

A longa metragem é ainda um trabalho em andamento. Embora o trailer, script, personagens principais, secundários e a maior parte dos sets estejam já concluídos e prontos para a animação final, espera-se que o filme ainda leve cerca de 18 meses até ser finalizado. Prevê-se, por isso, que o seu lançamento venha a ocorrer em meados de 2019. Antecipa-se também que o filme tenha uma versão em Português, Inglês e eventualmente, Francês.

As melhores ideias, notícias, tendências e reflexões.

SUBSCREVE A NOSSA NEWSLETTER



À atenção dos CONSENSUALISTAS: Respeitem a NOSSA CONSTITUIÇÃO!

À atenção dos CONSENSUALISTAS: Respeitem a NOSSA CONSTITUIÇÃO!
ELA vos impõe limites materiais de revisão e vos OBRIGA a nos consultarem, como POVO, se concordamos com tais alterações Constitucionais que vocês NOS propõem ou não!
Pela actual Constituição, o sufrágio é DIRECTO. É o eleitor que directamente escolhe os titulares dos órgãos singulares do poder executivo e colegiais do poder legislativo. Se o quiserem INDIRECTO, submetam essa matéria a referendo!
Tenhamos sentido de ESTADO!
Isto implica o respeito escrupuloso (para quem tenha escrúpulos) da Constituição e do primado da Lei. Só assim poderemos chamar Moçambique um ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO!
Não permitamos um retrocesso civilizacional!
Não permitamos a bipolarização do ESTADO e consequente captura das suas instituições, a pretexto de uma descentralização a todo o custo, sacrificando-se outros ganhos igualmente ou mais importantes.
Para a função na qual estou, jurei defender a CONSTITUIÇÃO, respeitar e fazer respeitar a Lei. Exercício esse que estou aqui a fazer!
17 Comments
Comments
Mufamba Gundo A mossa democracia está s dar um passo para trás.
Manage
Reply1w
Josue Matsinhe Não aprendemos nada, absolutamente nada, da forma como Donald Trump chegou a presidente dos EUA! Estamos aqui para ensaiar 'a escala menor os erros por la' cometidos.
Manage
Reply1w
Roberto Pedro Matsinhe Tudo na tentativa de acalmar o #barrulhento
Manage
Reply1w
Josue Matsinhe Logo, trata-se de uma solução paliativa. Usando a tua terminologia, teremos barulho logo a seguir.
Manage
Reply1w
Pedro Armando Sitole Paduana Mas o barrulhento se diz democrata e democracia assenta no primado da lei. Vamos ao referendo sim.
Manage
Reply1w
José Cumbane A democracia foi hipotecada! Será que o ESTADO precisava fazer isto!?
Manage
Reply1w
Ozias Moiane Bem visto Dr. De certeza que o atropelo foi propositado, mas tenho fé que o CONSELHO CONSTITUCIONAL ira mandar parar com isto!
Manage
Reply1w
Santos F. Chitsungo Seria o ideial. Mas eixiiii! Esta coisa de interpretar e aplicar as leis aqui no quintal. ..
Manage
Reply1w
Arnaldo Chalaua Chalaua Josue Matsinhe, ainda bem que vez direito. Quero lhe lembrar que a constituição da República é um projeto de um povo, ela pode ser alterada para acomodar vontade do povo.
Entrou na matéria de revisão constitucional, São duas formas: simples e complexa.
No caso será revisão simples, sem mexer aquilo que serve da base da constituição que é a forma do estado e regime do mesmo. Ou seja mudar a constituição é diferente em alteração a constituição! os pressupostos São diferentes, na mudança constitucional é necessário auscultação popular, na alteração constitucional é matéria do parlamento e deve reunir a percentagem necessária.
Sobre a legitimidade em relação a iniciativa legislativa, o chefe do estado tem a iniciativa legislativa, peço que é um processo normal, que não fere a constituição! tendo em conta tipo de constituição que temos, se é flexível, rígida ou semi regida no caso a nossa e flexível, olhando os pontos apresentados pelo chefe do estado. Os limites materiais foram respeitados por isso não será uma nova constituição, talvez a minha questão fosse: como estado unitário gostariam de manter a escrita do texto constitucional e a prática ser outra?
Manage
Reply1w
Grácio Dos Inguanes Ia escrever algo igual ou parecido. O meu sentimento é o mesmo... me parece que o consulado de Nyusi, terá cometido a pior gafe ao atropelar a constituição...Ademais, ao assim proceder e ceder o partido-môr legitima tudo o que o nosso Joseph Nkoni andou a fazer contra o estado...
Manage
Reply1w
Eugénio Sigauque Agora a nossa constituição fica vulnerável a qualquer consenso interpartidário....
Manage
Reply1w
Judas Nelson Simeao Mate Mano nesta terra a constiicao e mais uma biblia para consultar apenas. Ja nao sao necessarios os teologos para interpretar quaquer um acha se no pleno poder de interpretar e ter certeza que o que diz e que ta certo. A sabedoria do Salomao ja nao se respeita.
Manage
Reply1w
Ivo Adriano Timbe As afinidades "politicas" ou mesmo coligiais ditaram no atropelo da constituiçao esqueceram se do conceito de estado...
Manage
Reply1w
William Damasio Mbeve Muito bem dito, dr e obrigado pelo puxão de orelhas. A princípio nem tunha me apercebido do real conteúdo desses consensos. ESTADO PRIMEIRO
Manage
Reply1w
Artur Brites Lamentavelmente, a maxima latina do direito " dura lex sed lex" tem sido ostensivamente atropelada por algumas hostes que compoem o poder politico. O mais curioso e que, num passado recente, alguns da mesma hoste, invocavam efusivamente o respeito pela Constituicao quando as propostas ou exigencias que lhe eram colocadas nao lhes eram favoraveis.
E de todo lamentavel e inconcebivel, tamanho desprezo pelos limites materias que eles mesmos juraram respeitar. Com efeito, a Magna Lei manda que haja referendo, cumpra-se...
Manage
Reply1w
Theo Wa Thais Matsule Isso mostra que há pessoas acima da CRM...
Manage
Reply1w
Marcos Timoteo Simbine Estado de direito versus Estado de consensos. Esqueceram que o consenso é entre as partes e o estado é o povo. Não há legitimidade, mesmo á boca da urna ou com a força das armas que substitua a constituição a dita LEI MÃE.
Manage
Reply1wEdited
Eduardo da Alzira Tome nota!
A revisão da constituição aínda não foi aprovada, simplesmente houve acordo entre o Nyusi e o Dhlakama. O PR foi bem explícito..."aínda temos que levar essas propostas à AR para efeitos de apreciação e aprovação, pois a AR é representação de todo povo Moçambicano sem distinção.
Também temos que ter em conta que estamos em Moz, independente de o povo estar a par do que o governo faz, as decisões nossas nunca darão efeitos.

Atenciosamente.
Manage
Reply1w

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.